COMO AJUSTAR A PRESSÃO DOS SEUS PNEUS EM FUNÇÃO DA SUA VELOCIDADE

Saiba que é útil ajustar a pressão dos seus pneus para circular a uma velocidade muito alta? Normalmente, ninguém deve estar preocupado com esse artigo pois as limitações de velocidades na Europa nos forçam a circular a uma velocidade moderada.

Contudo, temos de precisar certas coisas para os mais audaciosos de entre eles.

Devido à carga que devem suportar, os flancos dos pneus sofrem uma ligeira deformação e a banda de rodagem afunda quando entra em contato com a roda. 

 

.

O FENÓMENO DE DEFLEXÃO DO PNEU A UMA VELOCIDADE ELEVADA

Os engenheiros utilizam o termo "deflexão" para designar o cálculo da diferença de medição entre o raio do pneu "não contraído" (entre o topo do pneu e o centro, ou seja, a parte do pneu que não sofre deformações sob o efeito do contacto com o solo) e o raio "contraído" (entre o centro do pneu e a roda, parte do pneu que se afunda aquando da sua entrada em contacto com o solo).

Quanto mais elevada for a velocidade, mais os pneus se deformam e demonstram uma descida significativa da banda de rodagem. Dito por outras palavras, quanto mais depressa um automobilista circula, mas importante é a deflexão ou deformação do pneu. Paralelamente, quanto mais aumenta a velocidade, mais diminui a capacidade de carga do veículo.

A pressão do pneu deve estar adaptada à velocidade a que está habituado a circular para conservar um nível de segurança e desempenho ótimos.

QUE PRESSÃO PARA QUE VELOCIDADE?

Tomemos como exemplo um pneu standard, de dimensão 215/50R17 91W, para o qual o número de rotações é cerca de 520 para percorrer um quilómetro. A 50km/h, o número de rotações é cerca de 7 rotações por segundo. Quando a velocidade aumenta para atingir 240 km/h, o número de rotações não pode atingir menos de 35 por segundo! Concretamente, isto traduz-se por uma deflexão do pneu a cada 28 milésimos de segundos. Quanto mais elevada é a velocidade, mais importante é a deformação do pneu.

A ETRTO (Organização Europeia Técnica do Pneu e da Roda) reconheceu que o fenómeno de deflexão dos pneus tinha uma importância não negligenciável e devia ser reduzida para não colocar em perigo os automobilistas que circulam a uma velocidade elevada.

A ETRTO recomendou, assim, um ajuste da pressão e da carga em função da velocidade de rodagem. Em caso de velocidade elevada, é recomendável aplicar uma pressão de inflação superior ao que é recomendado no flanco do pneu.

INDICAÇÕES PARA SABER A PRESSÃO ADEQUADA EM RELAÇÃO A UMA DETERMINADA VELOCIDADE.

Tendo como base a pressão recomendada pelo fabricante em condições de condução normais, a pressão do pneu deve ser aumentada gradualmente em função da velocidade. No exemplo ilustrado abaixo, a pressão de 2.4 bar recomendada pelo fabricante para um pneu 215/50R17 91W, pode ser aumentada em 0.10 bar sempre que a velocidade aumenta em 10 km/h.

Evidentemente, salvo se conduzir um carro Fórmula 1, é-lhe impossível ajustar a pressão em circulação. Preveja a pressão necessária antes de fazer asneiras.

+10km/h = aumente a sua pressão de +0.10 bar

Posteriormente, e se a velocidade de condução continuar a aumentar, a capacidade de carga indicada pelo índice situado no flanco do pneu diminui de 5% para cada patamar de 10km/h, e isto até que a velocidade tenha aumentado mais 30km/h.

+10km/h = -5% de capacidade de carga

No nosso caso, o pneu 215/50R17 91W com um índice de carga standard podia suportar 671 quilos. Esta capacidade de carga já não atinge mais de 570 quilos quando é montado num veículo que circule a uma velocidade de 270km/h.

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Jan 21, 2020
  • Categoria: Saiba mais
  • Comentários: 0
Deixe um comentário